15 de novembro de 2009

No que os neopagãos acreditam





No que neopagãos acreditam

5.6 Politeologia Neopagã 101
Copyright © 1974, 2001 c.e., Isaac Bonewit - 21/08/2002
Tradução: Gabriel Mallet Meissner
Fonte: www.terapias.cjb.net

Advertência Introdutória

Eu tenho reescrito este ensaio muitas vezes pelos últimos 26 anos, tanto sob o título "No que neopagãos acreditam(?)" como "No que druidas neopagãos acreditam(?)" - tendo usado o último título porque eu queria que a minha tradição de Druidismo tivesse suas raízes nestas opiniões apoiadas por muitos neopagãos. Estando totalmente consciente de que há alguns na comunidade neopagã que resistem vigorosamente a qualquer tentativa de codificar as crenças neopagãs e de que alguns neopagãos - e muitos mesopagãos - possam discordar fortemente com uma ou mais das seguintes afirmações, eu acho que esta é uma síntese acurada da visão mais majoritária no movimento neopagão. Eu também estou, pela primeira vez, tornando claro nesta versão que idéias os neopagãos geralmente não acreditam, um elemento de importância crescente nos nossos diálogos inter-religiosos com não-pagãos.

Esclarecer as nossas "doutrinas" (aquilo em que acreditamos ou em que não acreditamos) sem cair no "dogma" (as coisas nas quais somos obrigados a acreditar ou desacreditar por alguém em uma posição de poder acima da nossa) é um passo importante no crescimento de qualquer novo movimento religioso.
Verdadeiramente, eu sou algo como uma "personagem de (anti-?) autoridade" dentro da comunidade Neopagã, ainda que eu não tenha nenhuma habilidade em forçar qualquer pessoa a acreditar ou desacreditar em qualquer coisa. 

Da mesma forma, os oponentes que, por algum motivo, procuram atrapalhar a nossa comunidade de dentro dela ao ordenar aos gritos que nós não tracemos nenhuma descrição que possa excluir alguém também não têm nenhum direito em nos forçar a isso. A comunidade neopagã tem o direito e o dever de definir ela mesma por isso e tais definições são feitas pela maioria dos nossos membros e líderes - e assim tem sido nos últimos trinta anos. Aqueles que insistem em esperar para definir quem ou o que nós somos até atingirmos um mítico consenso estão sendo deliberadamente ingênuos - eles sabem muito bem que quanto mais gente está envolvida em uma tentativa de atingir um consenso sobre qualquer assunto, quanto mais um assunto religioso, menores são as chances de serem bem sucedidos.

Nem todo mundo na comunidade neopagã usa o termo "crença" em referência a estes conceitos e muitos destes conceitos têm uma vasta variedade de interpretações aceitas dentro do neopaganismo. Mesmo assim, é
razoavelmente fácil listar estas idéias com as quais uma maioria de neopagãos costumam concordam ou discordar e assim esboçar as linhas gerais das nossas doutrinas, da mesma forma que os membros dessas fés poderiam fazer com os evangélicos, budistas mahayanas, sikhs ou taoístas. Estas declarações criam ou refletem uma "realidade"? Sim.

Por sinal, se você não está completamente familiarizado com os termos "paleopaganismo", "mesopaganismo" e "neopaganismo", você pode ler "Definindo Paganismo" para obter uma rápida visão geral do assunto. Definições de
outros termos usados neste ensaio podem ser achados no meu Glossário Pagão.
Minhas próprias interpretações podem ser achadas em meus outros escritos neste site, assim como em futuros livros.


VÓS SOIS DEUSES

Neopagãos acreditam que a divindade é tanto imanente (interna) quanto transcendente (externa), sendo a imanência muito mais importante que as pessoas prestem atenção agora. Este princípio da imanência é freqüentemente
expressado assim: "Tu és Deus" ou "Tu és a Deusa" (a primeira frase foi originalmente tirada da novela clássica de Robert Heinlein "Estranho em um Mundo Estranho" e da organização neopagã que ela inspirou, a Igreja de
Todos os Mundos). Deuses podem se manifestar em qualquer ponto do espaço ou do tempo que Eles escolham, seja externamente (através de aparentes "visitas") ou internamente (através do processo conhecido como "inspiração",
"conversação", "canalização" e "possessão"). Esta crença freqüentemente se desenvolve entre neopagãos no panteísmo ("o mundo físico é divino"), no panenteísmo ("os Deuses estão em todo lugar"), animismo ("tudo é vivo") ou no monismo ("tudo o que existe é um ser só"), sendo todos eles conceitos aceitos por certos neopagãos.

SANTIDADE ORIGINAL

Neopagãos acreditam que crianças nascem sagradas uma vez que não há barreiras de consciência entre elas e seus deuses interiores. Assim, o conceito de "pecado original" - a idéia de que todas as crianças nascem más por natureza e têm que ser limpas por uma cerimônia mágica antes de se tornarem boas - é estranha para nós. Os bebês nos chegam em um estado neutro de moralidade e ética, embora alguns reencarnacionistas entre nós digam que há tendências para certos tipos de comportamento que possam ser trazidos de vidas passadas. Por causa desta reverência pelas crianças, Neopagãos não aprovam qualquer forma de abuso infantil. Alguns membros da nossa
comunidade podem perpetuar o abuso que eles receberam ao crescerem em uma cultura regular disfuncional, mas, ao contrário de muitas outras comunidades de fé, tal mau trato não é justificado religiosamente e nem perdoado.

DEUSAS E DEUSES

Neopagãos acreditam que a divindade se manifesta tanto em uma forma feminina como em uma forma masculina e que a palavra "Deusa" faz tanto sentido quando "Deus". Mulheres e homens são iguais espiritualmente e atitudes, valores e papéis "masculinos" e "femininos" são de igual importância, independentemente do gênero físico daqueles que os exercem. Muitos neopagãos acreditam que as energias e os valores femininos são mais necessários para
balancear o excesso masculino das correntes culturais. Portanto, há a comum ênfase nas Deusas em nosso mitos e ritos e a presença daqueles que cultuam somente a Deusa como uma minoria significativa na comunidade neopagã.

POLITEÍSMO E PLURALISMO

Neopagãos acreditam em uma multiplicidade de deuses e deusas, assim como em seres "menores", muitos dos quais merecem respeito, amor e culto. Nós temos uma vasta variedade de conceitos não-exclusivistas sobre a natureza destas entidades. Embora alguns acreditem em um "Ser Supremo", nós não antropomorfizamos Ele/Ela/Eles - i.e., um Ser Supremo não é percebido como sendo remotamente humanóide - um conceito como o Tao ou a "Força" é talvez mais próximo de um conceito adequado. E o neopaganismo como um todo politeísta e foca a sua atenção nas deidades associadas ao nosso planeta.

Dentro deste politeísmo abrangente, muito do neopaganismo é "duoteísta"(com deidades femininas vistas como aspectos de uma só Deusa e deidades masculinas como aspectos de um só Deus). Uma minoria significante de neopagãos cultua apenas deidades femininas. Junto ao politeísmo vem a tendência lógica ao pluralismo, levando alguns neopagãos a rejeitar o sistema de lógica dualista ou "binária" que esboça o universo em termos de branco vs. preto, em favor de sistemas de lógica multivalorizado "nebuloso" que aceita a surpreendente complexidade e ambigüidade da vida, do universo e de todas as coisas.

SEM DEUSES DO MAL

Neopagãos não acreditam em uma personagem divina ou semidivina que representa o Mal absoluto, nem respeita ou cultua esta divindade imaginária, deixando tais conceitos para os monoteísmos dualistas. "O Diabo" é um personagem da mitologia cristã e islâmica, uma paródia blasfema de antigas deidades paleopagãs, e é uma entidade pela qual nós não temos um mínimo de interesse. Aqueles que insistem que os nossos deuses são "na verdade demônios disfarçados" estão simplesmente exibindo a sua ignorância, o seu dualismo e a sua inveja cega, da mesma forma que os seus predecessores têm feito por séculos.

Assim, a nossa comunidade diz tanto para a conservadora comunidade cristã quanto para o seu lado sombrio, o movimento satanista moderno, que não se pode ser um satanista e um neopagão ao mesmo tempo, embora seja possível, talvez, ser um satanista e um mesopagão simultaneamente.

CULTO À NATUREZA

Muitos neopagãos acreditam que é necessário respeitar e amar a Natureza como divina em Seu próprio direito e nos aceitar como parte da Natureza e não como seus "governantes". Muitos de nós aceitam o que veio a ser conhecido como "a Hipótese Gaia". Conforme primeiramente dito pelo politeólogo neopagão Oberon (depois, Tim) Zell (e posteriormente em termos seculares pelo cientista James Lovelock), esta hipótese afirma que a biosfera do nosso planeta é um Ser vivo ao qual é devido todo o amor e apoio que nós, Seus filhos, possamos dar a Ela. Consciência ecológica é um dever sagrado e os desejos e comodidades humanos não são mais importantes do que as necessidades de qualquer outra espécie do nosso planeta. Por favor, note que esta última afirmação não é a posição extremistas que nós e outros movimentos ambientalistas temos sido acusados de ter.

TECNOFILIA CAUTELOSA

Muitos neopagãos acreditam na aceitação dos aspectos positivos da ciência e tecnologia ocidentais - a maioria de nós ama os nossos computadores! - mas também acreditam em manter uma atitude de cautela em direção à suposta
neutralidade ética desta ciência e tecnologia. Nós consideramos importante que os cientistas e engenheiros (assim como qualquer pessoa) prestem mais atenção em seus métodos da mesma forma que eles prestam atenção aos seus fins. Apenas porque é possível fazer algo não significa que nós deveríamos fazê-lo. Nós temos na comunidade neopagã algumas minorias significantes tanto de pessoas anti-tecnologia e favoráveis à volta ao campo como de fãs de ficção científica pró-tecnologia e apoiadores da exploração espacial.

ÉTICA POSITIVA

Neopagãos acreditam que a ética e a moralidade deveria estar baseada na alegria, amor, auto-estima, respeito mútuo e repúdio ao ato de prejudicar a nós mesmos ou a outros - humanos ou não - e o aumento do bem-estar público.

A maioria dos neopagãos acreditam em uma variante ou outra do princípio do "carma" e muitos neopagãos afirmam que os resultados das suas ações retornarão a eles, mais cedo ou mais tarde. Esta crença de que "o que vai, volta", seja considerado como retribuição cármica ou princípio ecológico, em uma grande influência nas escolhas éticas feitas pela maioria dos neopagãos.
Assim nós tentamos balancear as necessidades individuais de autonomia e crescimento pessoais com a necessidade de prestar atenção ao impacto das nossas ações nas vidas e no bem-estar de outros, incluindo outros seres vivos e o ambiente como um todo (Gaia). Isto não nos impede de lutar por justiça, liberdade e pelos direitos daqueles que não podem lutar por si mesmos, mas querer que pratiquemos uma rigorosa honestidade para conosco mesmos antes, durante e depois de nós nos engajarmos nesta luta. Estas crenças levaram muitos neopagãos a se tornarem vegetarianos, ativistas pelos direitos dos animais, pacifistas e/ou ativistas ambientais.

A BOA VIDA

Neopagãos acreditam que os seres humanos foram criados para viver as suas vidas cheios de alegria, amor, prazer, beleza e humor. Muitos neopagãos valorizam a comida, a bebida, a música, o sexo e o humor sarcástico e consideram todos esses (exceto, possivelmente, o humor sarcástico) como tendo valor espiritual, ao menos quando praticados em consenso entre adultos e quando não levados ao excesso. Neopagãos podem ser carnívoros, vegetarianos ou onívoros, dependendo das suas crenças religiosas individuais, mas todos nós aprovamos a boa cozinha! Alguns neopagãos se abstém de bebidas alcoólicas, especialmente se eles são membros de um algum
grupo de "Pagãos em Recuperação", mas a maioria deles não se abstém nem desaprovam aqueles que bebem. Neopagãos são entusiastas de muitas formas diferentes de música e dança, especialmente de formas musicais tribais e extáticas.

ATITUDES ASSERTIVAMENTE PRÓ-SEXUAIS

Muitos neopagãos consideram o êxtase sexual tanto como uma bênção divina quanto como uma grande fonte de crescimento e iluminação espiritual, apesar de nós variarmos grandemente em como, com quem e sob quais circunstâncias nós procuramos este êxtase. Assim, muitos neopagãos estão ativamente envolvidos em práticas e disciplinas tântricas, seja tradicional, reconstruída ou recentemente sintetizada. 
Em geral, a comunidade neopagã é tolerante em relação às minorias sexuais e estilos alternativos de relacionamentos que foram perseguidos por religiões monoteístas por razões sexistas e eretofóbicas. 

Um neopagão pode ser heterossexual, homossexual, bissexual, transexual ou indeciso; pode fazer práticas sexuais estranhamente não-usuais (incluindo o celibácio!) ou ser ortodoxo em seus gostos. Um neopagão pode estar em uma relação monôgama, em uma ou mais relações
poliamorosas, ou não ter nenhum tipo de relação romântica. Um neopagão pode viver em uma família nuclear da Era Industrial, em uma família mais extensa, tradicional ou não. Desde que as partes envolvidas sejam felizes e saudáveis, os neopagãos costumam aprovar a relação (ou ao menos não
desaprovam ativamente).

MAGIA E MISTÉRIO

Neopagãos acreditam que com o apropriado treinamento, arte, disciplina e intenção, as mentes e os corações humanos são plenamente capazes de realizar a maioria das magias e milagres que eles poderiam necessitar. Atos mágicos e/ou miraculosos são feitos através do uso do que a maioria de nós considera como talentos psíquicos naturais (alguns diriam "dons divinos") ou ocasional intervenção divina. A maioria dos neopagãos parecem aceitar as leis da magia descritas no meu livro "Real Magic" como descrições acuradas do modo como os fenômenos mágicos costumam se comportar, apesar de que eles possam dizer que não "acreditam" nestas leis mais do que um físico "acredita" nas leis da termodinâmica.

ARTE CERIMONIAL E CIÊNCIA

A maioria dos neopagãos acredita que há uma arte e/ou ciência de criar, preparar e realizar rituais mágicos e religiosos. Nossas cerimônias estão continuamente se desenvolvendo à medida que nós procuramos pelos ritos
intelectualmente satisfatórios, artisticamente belos, espiritualmente poderosos e magicamente efetivos que forem possíveis. O uso do sacrifício animal ou humano, embora seja uma acusação comumente feita à nós, não é parte do culto neopagão, embora alguns carnívoros abençoem os seus animais antes de cozinhá-los. O sacrifício animal é freqüentemente parte de algumas religiões mesopagãs como a Santeria, Macumba, Voundoun etc.


CONEXÃO COM O COSMOS

Neopagãos acreditam na importância de celebrar os ciclos solares lunares e outros ciclos das nossas vidas. Nós conscientemente observamos os solstícios, equinócios, os pontos entre eles, bem como as fases da lua.
Estes "ritos de intensificação" são universais à humanidade, assim como são as várias cerimônias conhecidas como "ritos de passagem" - celebrações de nascimento, puberdade, dedicação pessoal à uma certa deidade ou grupo, casamento, ordenação, morte etc. Juntos, estes vários tipos de observações nos ajudam a nos localizar no espaço e no tempo.

O PAGANISMO E O RENASCIMENTO

A maioria dos neopagãos acreditam em algum tipo de vida após a morte, normalmente envolvendo descanso e recuperação em um Outro Mundo antes de reencarnar. Há uma crença comum de que nós crescemos espiritualmente
através de cada vida e iremos continuar a reencarnar até que tenhamos aprendido tudo o que precisamos aprender. Este aspecto da politeologia neopagã não se desenvolveu muito, talvez por causa da ênfase neopagã nas alegrias e nos deveres de uma pessoa na vida presente. Nós não temos o conceito de uma "eterna" punição ou danação e não aceitamos o "direito" de outras comunidades religiosas imporem as suas opiniões sobre este (ou outro) tópico
a nós.

ESPERANÇA E AÇÃO

Muitos neopagãos acreditam que as pessoas têm a habilidade de resolver os seus problemas atuais, tanto pessoais quanto públicos, e criar um mundo melhor, mesmo que nem todos nos consideremos "utópicos". Esta visão, temperada com o senso comum, nos leva a um forte comprometimento ao crescimento pessoal e global, à evolução e ao harmonia.

VISÃO MÍSTICA

Neopagãos acreditam que as pessoas podem progredir muito e alcançar um crescimento pessoal, evolução e harmonia através de uma cuidadosamente planejada alteração no nosso estado de consciência "normal" (culturalmente definida e limitada). Neopagãos usam tanto métodos antigos como modernos de concentração, meditação, reprogramação e êxtase, incluindo técnicas de transe xamânicas e outras praticadas por povos paleopagãos e mesopagãos ao redor do mundo. Enquanto que alguns neopagãos possam usar cafeína, tabaco, açúcar, álcool ou outras substâncias que alterem a mente em suas vidas seculares e/ou religiosas, neopagãos não aprovam o abuso das drogas ou o vício.

RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À COMUNIDADE

Muitos neopagãos acreditam que a interdependência humana implica em um serviço comunitário. Alguns de nós são ativos na política, sociedade, ambientalismo e organizações de caridade, enquanto que outros preferem trabalhar para o bem-estar público primariamente através de meios espirituais (e muitos fazem ambas as coisas). Esta é outra razão pela qual satanistas, com a sua glorificação do egoísmo como valor supremo, não são neopagãos.

AUTENTICIDADE ESPIRITUAL

Neopagãos acreditam que se nós quisermos atingir algum dos nossos objetivos, nós precisamos praticar o que dizemos. Neopaganismo, assim como qualquer outra religião, deveria ser um modo de vida, não meramente uma função social semanal ou mensal. Então nós precisamos sempre nos esforçar para fazer as nossas vidas consistentes com as nossas crenças proclamadas, o que pode ser difícil nas nossas condições particulares, históricas, culturais e
econômicas. Ainda assim uma insistência neste esforço não implica na esperança de impecabilidade - neopagãos sabem que mortais erram, algumas vezes gravemente. A ênfase é, ou deveria ser, em reafirmar o nosso
comprometimento com os nossos ideais, não na punição de nós mesmos ou de outros por um comportamento passado (embora nós ainda tenhamos que consertar as nossas confusões e evitar fazer outras).

LIBERDADE RELIGIOSA INTERNA

Muitos neopagãos acreditam que religiões saudáveis deveriam ter um mínimo de rigidez e um máximo de flexibilidade. O neopaganismo é um conjunto de religiões orgânicas que estão crescendo, mudando e produzindo ramificações e (embora tenhamos os nossos tipos "ortodoxos") a maioria de nós aceita tudo isto como processos naturais (ainda que às vezes dolorosos). Quase todos os neopagãos acreditam que as organizações religiosas monolíticas e os assim chamados "messias" são um obstáculo ao crescimento espiritual. Como regra geral, grupos neopagãos marcam muito poucos pontos na minha Tabela de
Avaliação de Perigo dos Cultos.

LIBERDADE RELIGIOSA EXTERNA

Muitos neopagãos acreditam que é difícil para seres humanos comuns cometer ofensas "contra os Deuses e Deusas", fora, talvez, crimes maiores como ecocídio e genocídio. Nossas deidades são perfeitamente capazes de defender a sua própria honra sem qualquer necessidade de nós, mortais, punirmos alguém (dentro ou fora da nossa comunidade) por "blasfêmia" ou "heresia".
Nós não temos mandatos divinos para forçar as nossas crenças a entrarem pela garganta dos outros. Conseqüentemente, neopagãos acreditam na liberdade de culto e crença de todos os grupos religiosos e indivíduos que queiram nos permitir a nossa liberdade em troca. Neopagãos aprovam a separação entre a igreja e o estado e, nos Estados Unidos, desaprovam os esforços do Reich Religioso em impôr a sua ditadura teocrática sobre todos os americanos.

COOPERAÇÃO INTER-FÉS E AUTO-DEFESA

Muitos neopagãos acreditam na cooperação e nas atividades ecumênicas com membros de outras fés que queiram compartilhar todas ou a maioria das suas crenças. Está claro que nós temos muito em comum com membros da comunidade religiosa liberal, tais como os Universalistas Unitaristas, Judeus Reformados, Católicos Liberais e outros. De fato, o Covenant of Unitarian Universalist Pagans (ou CUUPS. N.T.: Convenção dos Pagãos Unitaristas
Universalistas) tornaram-se um dos maiores e mais ativos subgrupos da Igreja UU. Entretanto, a maioria dos neopagãos também acreditam em nos esforços opostos de membros de religiões disfuncionais que procuram levar vantagem do nosso idealismo. Isto é verdade quer eles queiram explorar novos membros da nossa comunidade ou tirar membros da nossa comunidade através atravéz de meios ludibriosos.

Fonte: www.neopagan.net