A Deusa Galesa Blodeuwedd



A Deusa galesa Blodeuwedd era conhecida como a Deusa dos Nove Aspectos da Ilha Ocidental do Paraíso, uma conexão tanto com a Lua (nove é número lunar) quanto com a morte e a reencarnação (aspectos da Lua Nova). Robert Graves escreve que Blodeuwedd possuía nove poderes: nove também é um múltiplo de três, outro número da Lua e da Deusa. A coruja era o animal sagrado de Blodeuwedd. Ela lidava com mistérios lunares e iniciações místicas.

De acordo com a mitologia galesa, Blodeuwedd foi criada por Gwydion e Math a partir de brotos de carvalho, gesta e rainha-dos-prados para ser a esposa de seu sobrinho, o jovem deus Lleu. Seu nome significa literalmente "Face de flor". No entanto, após algum tempo, Blodeuwedd perdeu seu interesse por Lleu e se apaixonou pelo obscuro deus da caça da floresta. Quando ela perguntou a Lleu como ele poderia ser assassinado, ele contou a ela. Ela então contou a seu amante, o deus da caça, que o matou. Entretanto, os tios de Lleu fizeram com que ressuscitasse. Lleu, por sua vez, matou seu rival. Gwydion transformou Blodeuwedd em uma coruja, um pássaro que prefere a noite e caça à luz do luar.

A coruja, uma criatura também ligada a Athena e outras deusas lunares, simboliza a sabedoria e os mistérios da Lua. Voar ao Luar significa compreender e usar os poderes da Lua.

Blodeuweed está relacionada à estação da Primavera e é honrada principalmente na Lua Cheia entre Imbolc e Beltane, assim como no amanhecer, que é sua hora de poder. Seus atributos estão relacionados à transformação, e ela nos ensina a nos compreendermos.

Magicamente falando, ela tem o poder de recuperar o verdadeiro Eu.

Os celtas acreditavam que por suas nove flores seríamos capazes de atrair a benção da Deusa à nossa vida.

A flor de giesta era capaz de purificar e proteger; a da bardana afastava os maus espíritos e energias negativas; as flores do prado traziam gentileza e amor natural; a prímula atraía o verdadeiro amor; a urtiga estimulava os desejos e paixões; o espinheiro trazia pureza de espírito; as flores do carvalho eram capazes de atrair vigor, força e aguçar os poderes de fertilidade; o castanheiro, a permanência do amor; o feijão trazia as bençãos da Deusa sobre sua criação.

Blodeuwedd representa a Terra em sua plenitude no período da Primavera.

Deusa criada de flores de árvores poderosas, mágicas e curadoras, representa assim a continuidade da cura e renovação da vida.

É a Deusa das emoções e da energia que movem a vida. É ela quem nos coloca em confronto com as novas descobertas e obstáculos capazes de nos fazer crescer e evoluir, fazendo com que assim cheguemos até a Iniciação na vida.

Vista como um aspecto da Rainha de Maio, é considerada uma das formas da Deusa Tríplice de Gales. Ela governa as flores, a magia lunar, os mistérios e iniciações, os inícios e a independência.

Alguns historiadores vêem nela uma imagem de mulher contra o patriarcado e a dominação masculina, outros vêem-na simplesmente como uma Deusa da Vida, da Morte e do Renascimento, uma forma simplificada da Deusa Terra como Circe, Ishtar, Cibele, todas amantes e devoradoras da vida.

Em cada mulher há uma virgem de flores escondida, uma virgem que nascerá novamente um certo dia, num certo lugar.

CORRESPONDÊNCIAS

Invoque Blodeuwedd para amor, descoberta de traições, felicidade, fertilidade, magia, conhecer os mistérios do renascimento, iniciações, vencer desafios, ultrapassar barreiras e vencer inimigos.

Símbolos: coruja, flores, lua.
Dia: sexta-feira.
Cores: rosa, verde, marrom.
Aroma: flores do prado.




(Desconheço a autoria)

Marcadores

10 anos de blog A Carga da Deusa A Carga do Deus A Deusa do Norte A magia das fragrâncias A magia dos metais A Pirâmide das Bruxas A Roda do Ano A Wicca de Cada Um Agradecimento Alquimia Altar Animais do Poder Animal Guardião Animal Totem Antiga Religião As faces da Deusa As leis da Wicca As responsabilidades na Wicca Avalon Banimento Bem-vindos! Blog Bruxa de Blair Bruxaria Italiana Bruxas Casamento wiccan Castlefest Chuva de meteoros Círculo Mágico Como me torno um(a) bruxo(a)? Cozinha da Bruxa Crenças Dedicação Dia das Mães Dúvidas Eclipse Egrégora Elementos Encontro Aberto Wicca Ipatinga Encontro Social Pagão® Energias Ervas Estudos Eu sou Pagã Gatos Gerald Gardner Glantonbury Guia de estudos Wicca Guias Espirituais Handfasting Hemisfério Norte ou Sul Hermetismo Imagens pagãs Iniciação Inquisição Jan Duarte Lista de postagens em ordem alfabética Livro das Sombras Livros indicados Lua Cheia Lua de Sangue Lua Sangrenta Mãe Terra Magia dos dias da semana Magia prática Margaret Murray Meditação Merlin Mitos e Lendas Natal Nomes Mágicos O 13º signo e o calendário wiccano O Alfabeto Theban O Deus de Chifres O Mito da Descida da Deusa O mito da Roda do Ano O poder do três vezes três O que é Wicca? O renascimento da Wicca O significado de Blessed Be Orações Oráculos Origens da Bruxaria Os Celtas Os Esbats Os Estudiosos e a Wicca Ouija Pagan Music Salt Lake Paganismo Panteão Brasileiro Panteão Celta Panteão Egípcio Panteão Grego Panteão Hindu Panteão Nórdico Panteão Romano Panteões Pedras e Cristais Planetas Poções Povos Nórdicos Princípio Criador Projeto Gaia Paganus® Receitas Reciclagem Reflexão Reportagem sobre Bruxaria Respeito Rituais e feitiços Rituais para o ano novo Ritual Rosário da Deusa Runas Sabbat Beltane Sabbat Imbolc Sabbat Lammas Sabbat Litha Sabbat Mabon Sabbat Ostara Sabbat Samhain Sabbat Yule Selena Fox Sexta-feira 13 Signos Símbolos Stonehenge Stregheria Tabuleiro Ouija Tempo Mágico Termos usados na Bruxaria Tradições Treze metas Valquírias Varetas Saxônicas Velha Religião Vikings Wicca e fantasia Wicca no Brasil Xamanismo

Comentários