O Mito da Descida da Deusa


Dea, nossa Dama e Deusa, soluciona todos os mistérios, até mesmo o mistério da Morte. Assim sendo, ela partiu rumo ao Submundo em sua nau, pelo Sagrado Rio da descida. A seguir ela se deparou com o primeiro dos sete portais do Submundo. E seu Guardião a desafiou, exigindo uma de suas vestes para que passasse, pois nada pode ser dado sem que algo seja oferecido em troca. 

E a cada um dos portais, a Deusa teve de pagar o preço da passagem, pois os Guardiães assim lhe diziam: 
"Despe-te de tuas vestes, e livra-te de tuas jóias, pois não há nada que possas trazer a nossos domínios." 

Assim, Dea cedeu suas jóias e sua vestimenta aos Guardiães, e foi conduzida, como um ser vivo que busca ingresso no Reino dos Mortos e dos Poderosos. 

No primeiro portal ela deixou seu cetro, no segundo sua coroa, no terceiro seu colar, no quarto seu anel, no quinto sua guirlanda, no sexto suas sandálias, e no sétimo seu vestido. Dea permaneceu nua e foi apresentada perante Dis, e tal era sua beleza que ele próprio se ajoelhou quando ela entrou.

Depondo sua espada e sua coroa aos pés dela, disse: 
"Abençoados são teus pés, pois te trouxeram por esta senda." 

Ele então ergueu-se e disse a Dea: 
"Fica comigo, eu imploro, e deixa teu coração ser por mim tocado." 

E Dea respondeu a Dis: 
"Mas eu não te amo, pois por que fazes com que todas as coisas que amo e com as quais me delicio venham a fenecer e morrer?" 

"Minha Senhora", respondeu Dis, "é contra a idade e o destino que falas. Não tenho poder, pois a idade faz com que tudo pereça, mas quando os homens morrem ao fim de seu tempo eu lhes dou repouso, paz e força. Por algum tempo eles habitam com a Lua, e com os espíritos da Lua; então podem retornar ao reino dos vivos. Mas és tão adorável e te peço para que não retornes, mas que vivas cá comigo". 

Ao que Ela respondeu: 
"Não, pois não te amo." 

Então Dis disse: 
"Se te recusas a me abraçar, deves prostrar-te perante o açoite das Morte."

Respondeu a Deusa:
 "Se assim é, assim seja, tanto melhor!" 

Dea então ajoelhou-se em submissão perante a mão da Morte, e esta açoitou-a tão levemente que ela gritou: 
"Reconheço tua dor, a dor do amor." 

Dis ergueu-a e disse: 
"És abençoada, minha Rainha e minha Dama." 

A seguir ele lhe deu cinco beijos de iniciação, dizendo: 
"Somente assim podes ambicionar sabedoria e prazer." 

E ele ensinou-lhe todos os seus mistérios, e lhe deu o colar que é o círculo do renascimento. E Ela lhe transmitiu todos os seus mistérios, do cálice sagrado que é o caldeirão do renascimento. Eles se amaram e se uniram um ao outro, e por um período Dea viveu nos domínios de Dis. 

Pois três são os mistérios na vida de um Homem: 
Sexo, Nascimento e Morte (e o amor controla a todos). 
Para atingir o Amor, devemos encontrar, reconhecer, lembrar e amá-los novamente.

Mas para que possamos renascer devemos morrer e ser preparados para um novo corpo. E para morrer devemos nascer, mas sem amor não podemos nascer entre os nossos semelhantes. 

Mas nossa Deusa tende a favorecer o amor, o prazer e a alegria. Ela protege e cuida de suas crianças ocultas nesta vida e na próxima. 

Na Morte Ela revela o caminho que leva à comunhão com Ela, e na vida ensina a magia dos mistérios do Círculo (existente entre os mundos dos homens e dos Deuses). 

Fonte: Tradição Aridiana (Raven Grimassi) 

Marcadores

10 anos de blog A Carga da Deusa A Carga do Deus A Deusa do Norte A magia das fragrâncias A magia dos metais A Pirâmide das Bruxas A Roda do Ano A Wicca de Cada Um Agradecimento Alquimia Altar Animais do Poder Animal Guardião Animal Totem Antiga Religião As faces da Deusa As leis da Wicca As responsabilidades na Wicca Avalon Banimento Bem-vindos! Blog Bruxa de Blair Bruxaria Italiana Bruxas Casamento wiccan Castlefest Chuva de meteoros Círculo Mágico Como me torno um(a) bruxo(a)? Cozinha da Bruxa Crenças Dedicação Dia das Mães Dúvidas Eclipse Egrégora Elementos Encontro Aberto Wicca Ipatinga Encontro Social Pagão® Energias Ervas Estudos Eu sou Pagã Gatos Gerald Gardner Glantonbury Guia de estudos Wicca Guias Espirituais Handfasting Hemisfério Norte ou Sul Hermetismo Imagens pagãs Iniciação Inquisição Jan Duarte Lista de postagens em ordem alfabética Livro das Sombras Livros indicados Lua Cheia Lua de Sangue Lua Sangrenta Mãe Terra Magia dos dias da semana Magia prática Margaret Murray Meditação Merlin Mitos e Lendas Natal Nomes Mágicos O 13º signo e o calendário wiccano O Alfabeto Theban O Deus de Chifres O Mito da Descida da Deusa O mito da Roda do Ano O poder do três vezes três O que é Wicca? O renascimento da Wicca O significado de Blessed Be Orações Oráculos Origens da Bruxaria Os Celtas Os Esbats Os Estudiosos e a Wicca Ouija Pagan Music Salt Lake Paganismo Panteão Brasileiro Panteão Celta Panteão Egípcio Panteão Grego Panteão Hindu Panteão Nórdico Panteão Romano Panteões Pedras e Cristais Planetas Poções Povos Nórdicos Princípio Criador Projeto Gaia Paganus® Receitas Reciclagem Reflexão Reportagem sobre Bruxaria Respeito Rituais e feitiços Rituais para o ano novo Ritual Rosário da Deusa Runas Sabbat Beltane Sabbat Imbolc Sabbat Lammas Sabbat Litha Sabbat Mabon Sabbat Ostara Sabbat Samhain Sabbat Yule Selena Fox Sexta-feira 13 Signos Símbolos Stonehenge Stregheria Tabuleiro Ouija Tempo Mágico Termos usados na Bruxaria Tradições Treze metas Valquírias Varetas Saxônicas Velha Religião Vikings Wicca e fantasia Wicca no Brasil Xamanismo

Comentários